segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Pobreza: Igreja lança projecto «Prioridade às Crianças»

> Caritas tem apresentado «sucessivas propostas» ao Governo sem obter resposta

> Fátima, Santarém, 29 Jan (Ecclesia) - A escassez alimentar, a falta de condições
> habitacionais e o "enfraquecimento da auto-estima" têm "consequências
> cognitivas" no crescimento das crianças, gerando dificuldades formativas e
> impedindo a "quebra do ciclo de pobreza", diz o presidente da Caritas
> Portuguesa.
>
> Eugénio Fonseca explicou à Agência ECCLESIA que a Igreja Católica em Portugal
> quer identificar os quadros de pobreza que estão a afectar as crianças e por
> isso desafiou "todas as comunidades e dioceses" a participar no projecto
> «Prioridade às Crianças», apresentado este Sábado, 29 de Janeiro.
>
> O desafio, explicou o responsável, é continuar a "sinalizar nas paróquias uma
> pessoa que funcione como antena e identifique os problemas que possam existir
> nas crianças".
>
> O presidente da Caritas está convencido que só é possível "resolver as situações
> e respeitar os direitos das crianças" mediante a formação da "consciência das
> comunidades cristãs", objectivo que deve ser concretizado em articulação com os
> sectores paroquiais da família, apoio social e catequese.
>
> A Caritas, através do seu núcleo de Observação Social, tem identificado
> problemas e apresentado "sucessivas propostas ao Ministério do Trabalho e da
> Solidariedade" mas sem obter qualquer resposta.
>
> "Não temos eco das propostas que fazemos. Não sabemos se são consideradas
> válidas e, se não são, porque é que não o são".
>
> Eugénio Fonseca afirma que as sugestões formuladas "não pedem recursos
> materiais", mas assentam na "reorganização de serviços e na instalação de
> dinamismos de voluntariado para detectar e solucionar problemas sociais".
>
> "Nós vamos dentro de pouco tempo voltar a escrever à responsável do Ministério
> para lhe lembrar, mais uma vez, as propostas em cima da mesa, porque enquanto
> não nos disserem que não têm cabimento, nós acreditamos nelas e vamos
> avançar".
>
> Presente no encontro, o presidente da Comissão Nacional de Protecção de Crianças
> e Jovens em Risco, Armando Leandro, afirmou estar "preocupado" com a situação da
> pobreza das crianças mas "não desesperançado".
>
> "As comunidades e as instituições têm cada vez mais sensibilidade para a
> protecção das crianças e não vão deixar que sofram excessivamente com a crise",
> refere o também juiz conselheiro.
>
> Confrontado com os dados do aumento da pobreza, Armando Leandro considerou que a
> pobreza infantil é um "desafio para todos".
>
> "Penso que apesar de todas as dificuldades nesta fase de crise, se reunirmos
> esforços, podemos evitar que as crianças estejam num situação de pobreza
> excessiva".
>
>
> Pobreza: Igreja lança projecto «Prioridade às Crianças»
> Caritas tem apresentado «sucessivas propostas» ao Governo sem obter resposta
> Fátima, Santarém, 29 Jan (Ecclesia) - A escassez alimentar, a falta de condições
> habitacionais e o "enfraquecimento da auto-estima" têm "consequências
> cognitivas" no crescimento das crianças, gerando dificuldades formativas e
> impedindo a "quebra do ciclo de pobreza", diz o presidente da Caritas
> Portuguesa.
>
> Eugénio Fonseca explicou à Agência ECCLESIA que a Igreja Católica em Portugal
> quer identificar os quadros de pobreza que estão a afectar as crianças e por
> isso desafiou "todas as comunidades e dioceses" a participar no projecto
> «Prioridade às Crianças», apresentado este Sábado, 29 de Janeiro.
>
> O desafio, explicou o responsável, é continuar a "sinalizar nas paróquias uma
> pessoa que funcione como antena e identifique os problemas que possam existir
> nas crianças".
>
> O presidente da Caritas está convencido que só é possível "resolver as situações
> e respeitar os direitos das crianças" mediante a formação da "consciência das
> comunidades cristãs", objectivo que deve ser concretizado em articulação com os
> sectores paroquiais da família, apoio social e catequese.
>
> A Caritas, através do seu núcleo de Observação Social, tem identificado
> problemas e apresentado "sucessivas propostas ao Ministério do Trabalho e da
> Solidariedade" mas sem obter qualquer resposta.
>
> "Não temos eco das propostas que fazemos. Não sabemos se são consideradas
> válidas e, se não são, porque é que não o são".
>
> Eugénio Fonseca afirma que as sugestões formuladas "não pedem recursos
> materiais", mas assentam na "reorganização de serviços e na instalação de
> dinamismos de voluntariado para detectar e solucionar problemas sociais".
>
> "Nós vamos dentro de pouco tempo voltar a escrever à responsável do Ministério
> para lhe lembrar, mais uma vez, as propostas em cima da mesa, porque enquanto
> não nos disserem que não têm cabimento, nós acreditamos nelas e vamos
> avançar".
>
> Presente no encontro, o presidente da Comissão Nacional de Protecção de Crianças
> e Jovens em Risco, Armando Leandro, afirmou estar "preocupado" com a situação da
> pobreza das crianças mas "não desesperançado".
>
> "As comunidades e as instituições têm cada vez mais sensibilidade para a
> protecção das crianças e não vão deixar que sofram excessivamente com a crise",
> refere o também juiz conselheiro.
>
> Confrontado com os dados do aumento da pobreza, Armando Leandro considerou que a
> pobreza infantil é um "desafio para todos".
>
> "Penso que apesar de todas as dificuldades nesta fase de crise, se reunirmos
> esforços, podemos evitar que as crianças estejam num situação de pobreza
> excessiva".
>

Sem comentários:

Enviar um comentário